2013: o ano das ‘trevas’ no cinema?

Cinema

2013: o ano das ‘trevas’ no cinema?

Não há como negar que 2013 vai ser um dos melhores anos cinematográficos para os nerds de plantão. Duvida?

Vamos conferir rapidinho: início segunda fase do Universo Marvel, o renascimento de um certo Homem de Aço, Evangelion live action robôs gigantes X monstros de Guillermo Del Toro, Kick Ass 2, a segunda parte do Hobbit, Brad Pitt enfrentando zumbis e a volta do nosso velho amigo John McClane (Yippie-Kai-Yay, Motherfucker!) – prá ficar apenas nos hypes (tem mais filmes aqui).

Acompanhando os teasers, spots, sinopses e fotos que surgem na divulgação dessas produções, percebi uma coisa relativa a alguns filmes: 2013 é o ano onde o ‘sombrio’ vai dar o ar de sua graça.

Vamos começar provando nossa tese com um dos mais esperados filmes do ano:

 

Homem de Ferro 3

 
Pelo que foi mostrado até agora, o terceiro filme do Cabeça de Lata vai ser o mais pesado da franquia. Segundo as sinopses e comentários dos produtores e diretor, em HF3 Tony Stark está abalado pelo que aconteceu em Os Vingadores: invasão alienígena, destruição em massa e o peso da responsabilidade nos ombros. Agora com a capacidade de controlar sua tecnologia à distância (baseada no arco de quadrinhos Extremis), o playboy – e filantropo, gênio e bilionário – será atacado em sua própria casa e vai comer o pão que o diabo amassou.

Apesar do tom mais sombrio, os produtores negam que o filme tenha uma pegada estilo “Batman Dark Knight”. Eu também espero que o estilo de Christopher Nolan passe longe e que apesar das dificuldades, Stark continue com seu bom humor.

Nosso segundo exemplo não tem como contestar, já que o título entrega tudo:

 

Thor: The Dark World.

Thor - The Dark WorldIsso mesmo: O Mundo Sombrio! O Deus do Trovão vai enfrentar o elfo maligno Malekith, que pretende conquistar os nove mundos e trazer a escuridão de volta ao universo.

O filme promete mais ação, concentrada em Asgard e em outros planetas – e com certeza esse viés cósmico deixará alguma pista para Os Vingadores 2 (Thanos!!!).

Vai ser fácil a sequência de Thor ganhar do primeiro filme, que serviu apenas para apresentar o personagem e seu universo e é um dos mais fracos da Fase Um da Marvel nos cinemas. E eu continuo achando que o Chris Helmsworth é um ator chinfrim para o personagem.

Nosso próximo filme também é da Marvel, embora esteja nas mãos de outro estúdio:

  
The Wolverine

Aqui vai se chamar Wolverine Imortal – já prevejo piadas com aquela música da Sandy.

Wolverine ImortalJames Mangold, diretor do filme, declarou recentemente que estava animado para “visitar um lado mais escuro e um pouco mais profundo do personagem, de uma maneira que ainda não foi feita.”

Espera um pouco: um Wolverine mais sombrio? O carcaju já não é sombrio o suficiente? Afinal, estamos falando de um personagem que não hesita em fatiar o inimigo e que possui um passado obscuro e é assombrado pelo seu lado animal.

Hugh Jackman interpreta o herói com precisão e acrescenta algum humor na sua performance – como a piada sobre os codinomes em X1 (“Tempestade? Ciclope? Magneto? E como você se chama? Rodas?”) e sua auto-definição como ‘professor de arte’ em X2. Mangold prometeu um Wolverine mais resistente e mais violento, ok – mas fazer uma história sombria não significa que ela seja profunda. Fica a dica.

 

O Homem de Aço

 
Caminhar para a escuridão não é uma novidade na Marvel. Mas para a DC é estranho – com exceção do Batman, claro. Então, o que pensar sobre o novo filme do Superman, O Homem de Aço?

A visão dos produtores/diretor/roteiristas para o herói é que ele seja mais realista, mais identificado com nossos tempos atuais. Isso explica o trecho mostrado no trailer quando o jovem Clark Kent pergunta ao pai adotivo se ele deveria ter deixado um ônibus cheio de crianças morrerem para proteger o segredo dos seus poderes, ao que Jonathan Kent (Kevin Costner) diz: “Talvez.” o_O

Quem te viu, quem te vê, Jonathan Kent. Quer dizer que tornar o personagem “relevante e compreensível” (palavras de Nolan) para a nova geração é tornar tudo mais… sombrio?

Eu já tinha comentado sobre isso em meu blog faz alguns anos. Superman Dark não ecziste e não funciona. Espero que todo esse ‘realismo’ e ‘seriedade’ que estão alardeando não afaste o personagem de sua essência, que é ser um personagem iluminado, solar – eu vivo dizendo: o Super é um personagem excelente, só que não conseguem trabalhar decentemente com ele (com raras exceções). Vejamos se Snyder vai fazer seu dever de casa direitinho.

Para concluir nossa jornada às trevas, mais um filme com ‘sombrio’ no título:

 

Star Trek – Além da Escuridão

Também pelas sinopses, teasers, trailer e fotos, o vilão interpretado por Benedict Cumberbatch vai tocar o terror na Frota Estelar! Até a Enterprise vai se dar mal – a cena da espaçonave caindo no mar é impactante!

Mas esse lado sombrio do universo Trekker já foi mostrado várias vezes, tanto em episódios da Nova Geração como nos filmes para o cinema. A Terra Desconhecida (a despedida da tripulação clássica) mostra oficiais da Frota Estelar numa conspiração para evitar o fim da guerra entre os Klingons com objetivos meramente interesseiros; Insurreição (que é fraquinho de doer), com a tripulação nova, também vai por este caminho.

Essas abordagens mais pesadas de Star Trek tiraram o seu criador do sério. Gene Roddenberry não gostou de ver seu mundo utópico de paz e harmonia sendo abalado por fraquezas humanas. Até entendo o coitado. Mas isso é indústria cultural – o pobre Gene não entendeu.

Tenho confiança em J. J. Abrams pelo trabalho fantástico que ele fez em Star Trek. Mas estamos de olho…

Espero estar totalmente enganado nessa crítica à estética do ‘sombrio’ e torço para que os filmes citados sejam espetaculares.

Mas também espero que essa moda não se espalhe por outras franquias, até porque se fizerem Star Wars VII: O Lado Escuro do Lado Negro da Força eu peço prá sair.

Continuar lendo
Publicidade
Bruno Alves

Bruno Alves é professor, rabisca de vez em quando uns desenhos por aí e tem sempre uma música tocando em off na cabeça, mesmo quando não está usando headphones. E sim, ele gosta dos Titãs.

Deixe seu comentário!

Mais em Cinema

To Top