Birdman – O retorno de Michael Keaton e a Inusitada Virtude da Ignorância!

Cinema

Birdman – O retorno de Michael Keaton e a Inusitada Virtude da Ignorância!

[leftbox]Antes do filme dos X-Men (2000, Bryan Singer) ninguém imaginava que as adaptações de quadrinhos de super-heróis pudessem, um dia, resgatar os dias de glória conhecidos pela indústria com os blockbusters Superman (1978, Richard Donner) birdman-oscar-2015-geekcafe-tve Batman (1989, Tim Burton). De lá prá cá, os coloridos e superpoderosos personagens das hq’s tem feito a alegria de estúdios como Fox, Sony, Warner e a novata Marvel Studios.

Assim, franquias do gênero têm revelado novos talentos e/ou resgatado carreiras do limbo, como a simbólica ressurreição de Robert Downey Jr. na pele do bilionário, filantropo, gênio e inventor Tony Stark/Homem de Ferro. Hoje em dia, nove entre dez astros de Hollywood querem participar de um filme de super-herói. Isso é que é hype!

Mas nem sempre foi assim. Usar uma roupa colante já teve efeito contrário e muitos atores pagaram o pato, ficando marcados para sempre na pele do personagem que interpretaram – vide o Batman mais famoso da TV, Adam West. O próprio Superman Christopher Reeve teve que ralar prá mostrar que era mais do que um cara vestindo cueca vermelha por cima das calças.

Mas porque estou falando de filmes de super-heróis se Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), o tema deste post, não é um filme de super-herói?

Porque o novo filme de Alejandro González Iñárritu se vale de uma franquia cinematográfica fictícia de super-herói para contar a história de Riggan Thomson (Michael Keaton), um ator que ficou marcado negativamente pelo seu mais famoso personagem e que agora pretende, 20 anos depois, provar ao mundo do entretenimento (e a si mesmo) de que é muito mais do que um cara vestindo uma fantasia de passarinho.  [/leftbox]

Birdman

Para isso, Thomson investe todas as suas forças (e minguados recursos financeiros) para montar uma peça na Broadway baseada no conto What We Talk About When Talk About Love, de Raymond Carver. Com isso, espera ser reconhecido como um ator de respeito. O problema é que a sombra de Birdman paira sobre ele que, em determinados momentos, não consegue distinguir o que é real e o que não é.

Ao lado de Thomson está Sam (Emma Stone), sua filha e assistente, recém-saída de uma clínica de desintoxicação; Jake (Zach Galifianakis), empresário e melhor amigo de Thomson, a voz da razão nessa história; Lesley (Naomi Watts), atriz que irá fazer sua estreia na Broadway; e substituindo um dos atores que sofreu um inusitado acidente no palco está Mike (Edward Norton), um ator excêntrico e narcisista, mas que tem nome na mídia – tudo o que Jake e Thomson precisam para dar visibilidade e credibilidade ao espetáculo.

Thomson se entrega com paixão e alma ao seu projeto, mas as primeiras reações aos ensaios abertos não são alentadoras, principalmente por conta das extravagâncias interpretativas de Mike, que chega a interromper o espetáculo para reclamar da troca do gin (que estava bebendo vorazmente) por água.

Birdman Elenco

Em meio a tudo isso, uma voz gutural atiça Thomson nos bastidores do teatro e da sua mente: Birdman, o super-herói que deu fama e fortuna ao ator, luta para voltar aos holofotes, tentando convencê-lo de que reinterpretá-lo é a melhor maneira dele voltar a ser reconhecido.

Birdman é um grande exercício de metalinguagem e ironia, além de ser uma crítica a certa banalidade/crueldade que cerca o mundo da indústria do entretenimento, englobando aí filmes-produto e críticos de teatro mais temidos do que o cão do sétimo livro – como a crítica teatral Tabitha Dickinson (Lindsay Duncan), que ameaça destruir a peça de Thomson sem ter ido a nenhum ensaio aberto, simplesmente pelo fato do ator ser um representante do mundo do cinema pipoca, que denigre a arte do cinema. Bárbara Heliodora, é você?

O filme também é uma metáfora da vida do seu protagonista. Michael Keaton, que sempre achei um bom ator, meio que despencou do Olimpo hollywoodiano depois que abandonou o capuz e a capa do Homem-Morcego depois de dois filmes, lá no início dos 1990 (mesmo período em que Thomson desistiu de atuar na franquia do Homem-Pássaro). Depois de anos em produções menores, Keaton vinha aparecendo mais em superproduções, como no mais novo Robocop.  Com um personagem desses nas mãos, Keaton leva o filme nas costas e se entrega de corpo e alma, magnetizando nossos olhares durante as duas horas de exibição. É, com certeza, o papel da vida dele. Imagina a ironia se ele ganhar um Oscar? Será a vingança de Riggan Thomson via Michael Keaton!

Birdman Michael Keaton

E falando em atuações, Edward Norton é outra fera em cena – não que isso seja uma surpresa. Seu personagem talvez até seja uma pequena referência a ele mesmo, que tem fama de ser um ator difícil por se envolver nos projetos com paixão, a ponto de bater de frente com estúdio e diretores por querer dar pitaco demais (vide o caso Hulk). Só não vai levar o Oscar porque esse já é do J. K. Simmons (de Whiplash).

Emma Stone também está muito bem no papel da filha rebelde e ex-drogada e que vive num mundo totalmente diferente do pai, que foi ausente e tenta, meio sem jeito, se aproximar dela. E confesso que só reconheci Zach Galifianakis depois de um tempo, tendo em vista sua atuação contida no papel de Jake – nada daqueles personagens outsiders e meio malucos que ele faz com maestria.

Como se já não bastassem a história, os personagens pegajosos e as excelentes atuações, o diretor mexicano nos brinda com um belíssimo filme, cuja fotografia ficou nas mãos de Emmanuel Lubezki (que ganhou o Oscar de Fotografia por Gravidade); os planos sequência são intensos, alternando entre planos abertos e primeiros planos de modo fluido.

Outro acerto é a trilha sonora, envolvente e poderosa, que é praticamente uma personagem na narrativa. Antonio Sanchez, o responsável, é baterista de jazz e aparece no filme em duas sequências. E o cabra toca bateria, viu? Já to baixando alugando a discografia!

Todo esse esmero se traduz nas nove indicações ao Oscar que o filme recebeu: filme, diretor, ator, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, roteiro original, fotografia, mixagem e edição de som.

Keaton já levou o Globo de Ouro de Melhor Ator e Alejandro Iñárritu o de melhor roteiro.

A briga pela estatueta careca vai ser boa!

Birdman Michael Keaton

Nota: 5 canecas de café irlandês!

Continuar lendo
Publicidade
Bruno Alves

Bruno Alves é professor, rabisca de vez em quando uns desenhos por aí e tem sempre uma música tocando em off na cabeça, mesmo quando não está usando headphones. E sim, ele gosta dos Titãs.

Deixe seu comentário!

Mais em Cinema

To Top