Os atores de Esquadrão Suicida, próximo filme da parceria DC Comics/Warner Bros., tem alguns dos personagens mais insanos do Universo DC.

O Coringa, a Arlequina, o Pistoleiro… todos personagens mentalmente prejudicados.

David Ayer, diretor do longa, é um diretor naturalista, do tipo que gosta que seus filmes aparentem ter a maior quantidade de “realismo” possível – entre aspas, já que realismo no cinema é bobagem.

Portanto, ele quer capturar toda essa loucura desses personagens e colocar na tela, da maneira mais crua e natural possível, o que vai exigir muito trabalho do elenco do filme. Jared Leto, por exemplo, já entrou completamente no personagem do Coringa.

O problema é que não é muito saudável colocar atores por tanto tempo na pele de loucos psicóticos como esses personagens. Não sem algum tipo de ajuda.

Segundo o ator Adam Beach, Ayer resolveu essa questão contratando um psicólogo para os atores de Esquadrão Suicida. Beach revelou o seguinte:

O trabalho do David Ayer é sobre realismo. Se o seu personagem é atormentado, ele quer que você seja atormentado. Ele quer o mais real possível. Nós meio que temos um terapeuta nos sets caso você tropece e se torne vilanesco de verdade. É um amigo do Ayer, que é muito singular em garantir que nós estamos com o pé no chão. Nós, os atores, atravessamos algumas linhas bem finas que nos separam do lado mais sombrio e ele quer garantir que nós possamos terminar o filme e não desaparecer em algum lugar, sem aparecer para trabalhar depois“.

Tudo para garantir que mais nenhum rato é dado de presente por aí, né? Seja como for, Esquadrão Suicida já é um daqueles filmes que gerariam várias lendas urbanas caso fosse lançado em algum momento antes da Internet.