Os 5 melhores filmes de Hayao Miyazaki

Cinema

Os 5 melhores filmes de Hayao Miyazaki

Hoje é aniversário de um dos gênios da animação, Hayao Miyazaki (72 anos)! Junto a outro diretor, Isao Takahata, é dono do estúdio Ghibli, uma das empresas de animação mais respeitadas do mundo.

O estilo de Hayao é único, a delicadeza com que trata seus trabalhos e desenhos, chegando a fazer tudo a mão, nos levam à outro nível de animação e claro que sua rebelião aos objetos modernos, como aquela “caixa gigantesca”- chamada computador – colaboram para este processo criativo mais manual.

Confira os 5 melhores filmes de Hayao Miyazaki e embarque no mundo da fantasia oriental, repleto de criaturas, seres mágicos e desafios:


5 – O Serviço de Entregas da Kiki – (1989)

O Serviço de Entregas de Kiki

O Serviço de Entregas da Kiki  é o primeiro sucesso de Miyazaki fora do Japão e possui todo o visual inspirado na Europa dos anos 1950. Usando os contos de fadas, o diretor tem como personagem principal, Kiki, uma bruxinha que aos 13 anos deve encarar a vida adulta, mudando-se para uma cidade que nunca foi ocupada por uma bruxa antes. 

Kiki é acolhida por Ozono, a dona de uma padaria, que está grávida e precisa de ajuda para fazer entregas. Usando sua vassoura mágica, Kiki tenta não decepcionar seus clientes, à medida em que encontra o amor no garoto Tombo, cujo maior sonho é construir uma bicicleta voadora.

 

4 – A Princesa Mononoke – (1997)

Diz a lenda quando A Princesa Mononoke foi produzido, Hayao Miyazaki fez com que todos os computadores do estúdio Ghibli fossem confiscados para entregar um filme feito 100% a mão e o resultado: o longa arrecadou US$ 158 milhões somente no Japão!

O enredo traz um príncipe que é mordido por um javali possuído por um deus do mal. À beira da morte, ele precisa encontrar a cura para essa doença, partindo numa jornada de redenção e escolhas. Ao conhecer Mononoke, uma princesa que foi criada por lobos, o príncipe percebe que a fúria da natureza está diretamente relacionada à ambição dos homens.

O filme aproveita o espaço para trazer uma forte mensagem ambiental num tempo em que Avatar (James Cameron) estava muito longe de existir (coincidência ou não, algumas criaturas da floresta lembram as da lua de Pandora).

 

3 – Meu Vizinho Totoro – (1988)

meu_vizinho_totoro

Tororo já se transformou em um dos símbolos da cultura japonesa, mas não se engane, apesar de toda meiguice o filme Meu Vizinho Totoro usa o imaginário para narrar uma história triste.

A animação relata a vida de uma menina, Mei, que muda-se com seu pai e a irmã para um vilarejo que fica mais próximo de onde sua mãe, muito doente, está internada. As meninas se vêem obrigadas a encarar a vida adulta e num belo dia, Mei decide ir visitar sua mãe no hospital, mas acaba se perdendo na floresta, sendo salva pelo grande e fofo Totoro, um monstro que promete fazê-la esquecer de todos os seus problemas.

 

2 – O Castelo Animado – (2004)

Inspirado no livro da escritora inglesa Diana Wynne Jones, Miyazaki deu seu próprio toque mágico e criou uma animação surpreendente que faz homenagem ao próprio estúdio Ghibli e referência aos filmes A Viagem de Chihiro, O Serviço de Entregas de Kiki e até Porco Rosso e Meu Vizinho Totoro.

No filme, a jovem Sophie se apaixona por um charmoso mago, iniciando o que seria um romance entre eles. Porém, com inveja a Bruxa do Nada lança-lhe um feitiço para que ela ganhe a aparência de uma mulher velha, incapaz de chamar a atenção de qualquer jovem.

O diferencial é que de Sophie aceita a velhice e o enredo não tem um bem ou mal, apenas escolhas humanas, talvez seja essa a diferença entre as fantasias dos dois lados do mundo.

 

1 – A Viagem de Chihiro – (2001)

A Viagem de Chihiro é um dos filmes mais marcantes de Hayao e apesar das críticas quanto as cenas “viajadas”, o filme foi premiado com o Urso de Ouro em Berlim, ganhador do Oscar de Melhor Animação e mais 33 prêmios em festivais pelo mundo.

Em Chihiro, Miyazaki cria seu próprio conto de fadas contemporâneo a partir de uma menina mimada de 10 anos que vai parar num mundo sobrenatural habitado por deuses e divindades japonesas. Ao invés de criar fórmulas para um final feliz, ele faz críticas ao consumismo desenfreado, domínio da cultura de massa e a falta de identidade cultural dos jovens. 

Continuar lendo
Publicidade

Tem a mesma profissão de Clark Kent, mas sonha em ser Bruce Wayne. Espera até hoje o final de Caverna do Dragão, sua convocação para Hogwarts e ser chamada para lutar na Terra Média!

Deixe seu comentário!

Mais em Cinema

To Top