Avante, Vingadores #52 reconta a origem do mais poderoso grupo de super-heróis do planeta

Livros e HQ

Avante, Vingadores #52 reconta a origem do mais poderoso grupo de super-heróis do planeta

A imortalidade é um dos sonhos da humanidade. Quem não queria viver para sempre? Mas basta me lembrar de Connor MacLeod e a maldição da eternidade aparece para assombrar.

É essa maldição que assombra os quadrinhos de super-heróis norte-americanos. Personagens como Superman e Batman já batem a casa dos 70 anos, enquanto o Cabeça-de-Teia já é um cinquentão.

Para os leitores mais antigos isso não é um problema. Mas os leitores novos ficam perdidos. Para isso, a Marvel e a DC recontam a origem de seus personagens de vez em quando, atualizando e ampliando a história original.

Aproveitando a estreia do filme Os Vingadores, a edição 52 da revista Avante, Vingadores (Panini Comics, 156 páginas, R$ 14,99) traz, completinha, a mini-série em cinco capítulos AVengers: The Origin, publicada originalmente pela Marvel em 2010.

av52-capaavengers 1-1963

A história, escrita por Joe Casey e desenhada por Phil Noto, é uma releitura ampliada dos eventos mostrados em The Avengers #1, de setembro de 1963, que mostra a origem do supergrupo da Casa das Idéias.

Banido por Odin para a Ilha do Silêncio por seus crimes contra Asgard, Loki, o deus da trapaça, não sossega e continua a semear seu ódio por Thor, seu meio-irmão e campeão dos asgardianos.

Decidido a humilhar o deus do trovão, Loki projeta sua consciência para a Terra e dá de cara com o incompreendido, grosso massa (mas que luta para ser feliz), o incrível Hulk. Rapidinho, o vilão começa a trollar o verdão, que reage violentamente e causa destruição por onde passa.

Rick Jones e seu grupo de amigos hackers/nerds/conspiradores enviam uma mensagem para o Quarteto Fantástico com o objetivo de pedir ajuda para conter o monstro. Mas Loki desvia as mensagens para atrair Thor; só que o Homem de Ferro, também capta as mensagens, assim como Hank Pym ( o Homem-Formiga) e Janet Van Dyne (a Vespa). Juntos, eles unem forças pela primeira vez para deter o Hulk e, por tabela, o vingativo deus da trapaça.

O interessante da HQ é que Casey atualiza os eventos e dá um grande destaque a Rick Jones, um personagem que, mesmo não tendo superpoderes, foi companheiro de lutas de vários heróis, como o Capitão América e o Hulk. Como a história não se passa nos anos 60 como a original, vemos computadores, internet e outras referências contemporâneas. Mas quem nunca leu as hq’s antigas vai estranhar a esquisita armadura amarela de Tony Stark (era tosca mesmo).

avengers__the_origin_2hulk_clown_avengers_origin

A atualização de Casey é legal porque detalha situações que na trama original são mostradas superficialmente, como aquela onde o Hulk é encontrado trabalhando em um circo como um “robô” – o personagem é mostrado com suas características originais, quando era mais articulado e falava coerentemente. O relacionamento entre os personagens também é construído e o respeito entre eles vai crescendo durante a trama.

Se você é um leitor veterano talvez essa HQ não chame tanto assim sua atenção, mas para quem está chegando agora (principalmente para quem nunca leu uma HQ do grupo e adorou o filme) é uma boa pedida para entender melhor a dinâmica dos Vingadores.

E fechando a edição, uma história curta de Thor passada no Antigo Egito, com roteiro e arte do excelente Alan Davis. É uma HQ simpática e brinca com a História, além de inserir no universo marvelístico os deuses egípcios. Atenção na dupla de egiptólogos que abre a história. Eu ri.

Leia nossa resenha sobre o filme: Os Vingadores

Continuar lendo
Artigos relacionados:
Bruno Alves

Bruno Alves é professor, rabisca de vez em quando uns desenhos por aí e tem sempre uma música tocando em off na cabeça, mesmo quando não está usando headphones. E sim, ele gosta dos Titãs.

Deixe seu comentário!
Publicidade

Artigos mais vistos

Publicidade
To Top