Os apocalipses de Saramago

Livros e HQ

Os apocalipses de Saramago

A primeira vez que li Saramago procurei por pontos. Não tive marcação de falas, nada dos travessões, não entendi os personagens e fechei com raiva as páginas. Resolvi usar a oratória como artifício para não me sentir angustiada com um papel que eu nem tinha conseguido ler. Pode ser que não combine pra você, mas a fala foi o melhor benefício e meio de propagar a palavra por anos e o meu jeito de entender que o texto era um fluxo do consciente de uma mente um tanto perturbada e incrível. Pense, tente parar e você vai entender o que digo.

José Saramago foi ganhador do Nobel de Literatura em 1998 (alguém ganhou quando ainda estava vivo) pode até ser excêntrico, mas nos deixou uma última mensagem valiosa aos 87 anos de idade:

“Acho que todos nós devemos repensar o que andamos aqui a fazer. Bom é que nos divirtamos, que vamos à praia, à festa, ao futebol, esta vida são dois dias, quem vier atrás que feche a porta – mas se não nos decidirmos a olhar o mundo gravemente, com olhos severos e avaliadores, o mais certo é termos apenas um dia para viver, o mais certo é deixarmos a porta aberta para um vazio infinito de morte, escuridão e malogro.”

Vamos à obra! Ensaio Sobre a Cegueira não é o que se pode chamar de leitura agradável para curtir o tempo. Ele me machucou e foi terrível, tanto para mim quanto para o autor:

"Este é um livro francamente terrível com o qual eu quero que o leitor sofra tanto como eu sofri ao escrevê-lo. Nele se descreve uma longa tortura. É um livro brutal e violento e é simultaneamente uma das experiências mais dolorosas da minha vida. São 300 páginas de constante aflição. Através da escrita, tentei dizer que não somos bons e que é preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso."

Uma cegueira branca foi capaz de deixar os olhos mais humanos. Todos serão afetados, um por um. A rotina dos fatos nos faz crer que é possível, as descrições do ambiente urbano, do caos e do mau humor das pessoas começa assim:

"Um dia normal na cidade. Os carros parados numa esquinas esperam o sinal mudar. A luz verde acende-se, mas um dos carros não se move. Em meio às buzinas enfurecidas e à gente que bate nos vidros, percebe-se o movimento da boca do motorista, formando duas palavras: "Estou cego". O homem dentro do carro esbraceja, grita, mas não consegue escapar da cegueira branca que inunda seus olhos. É uma cegueira diferente, luminosa, como se ele tivesse mergulhado de olhos abertos num "mar de leite". Apesar disso, seus olhos tem uma aparência normal."

Quando alguém lhe protegeu de verdade? Em meio de um mundo cego por tudo, uma pessoa aparentemente frágil se fez também de cega parcial para ajudar seu companheiro e consequentemente todos os outros. Aqueles que não sabiam viver com coisas que sempre estiveram nos seus mundos, outros que buscaram a escuridão não advinda da cegueira, mas do desespero e puro egoísmo e principalmente para encontrar uma solução para a falta de paz dos dias.

"Os outros cegos chegaram juntos: o primeiro cego, o ladrão, a rapariga dos óculos escuros e o rapazinho estrábico, sem a mãe. Sentaram-se na primeira cama com a qual tropeçaram. Nesse momento, ouve-se uma voz forte e seca no auto-falante fixado em cima da porta: Atenção! Atenção! Atenção! O Governo lamenta ter sido forçado a exercer energicamente o que considera ser seu direito e seu dever, proteger por todos os meios as populações na crise que estamos a atravessar, quando parece verificar-se algo de semelhante a um surto epidêmico de cegueira…"

Onde eu me debulhei em lágrimas? Nas maldades do cárcere, sem água ou comida suficiente para uma população sufocada. Nos corpos jogados como lixo, na verdade só estavam mais expostos, os corpos são jogados como lixo por muita gente. Se você achou, ingenuamente como eu que quando ocorre uma situação impossível as pessoas iriam se unir, talvez entenda o que é crer num mundo e vê-lo estraçalhado num livro mais real do que suas ideias e consciente. O fantástico (ainda bem) é ver a humanidade como é (e agradeci imensamente a Saramago por ter deixado o benefício do calor das pessoas, do crescimento) e como senti falta das páginas úmidas e do conforto do autor. Afinal, "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara."

Continuar lendo
Publicidade

Tem a mesma profissão de Clark Kent, mas sonha em ser Bruce Wayne. Espera até hoje o final de Caverna do Dragão, sua convocação para Hogwarts e ser chamada para lutar na Terra Média!

Comments

Mais em Livros e HQ

To Top