O retorno de Hunter x Hunter e novidades do mercado nacional

Livros e HQ

O retorno de Hunter x Hunter e novidades do mercado nacional

Após uma torturante espera, o mangá de Hunter x Hunter terá sua publicação retomada em 2 de Junho! Motivo pra alegria, festa e dança.

Afinal, a obra entrou em seu maior hiatus – mais de dois anos – logo após seu maior período de publicação desde o início da fase de pausas regulares. Trinta capítulos foram lançados, após vários retornos que traziam meramente dez capítulos. Agora, com a maior pausa, a esperança é de que uma maior quantidade de capítulos esteja pronta para lançamento.

O anúncio, feito em 21 de Abril, também informou que o retorno do mangá será simultâneo nos EUA, com a Viz lançando como de costume o mangá em inglês em sua versão da Weekly Shonen Jump. E dependendo de quantos capítulos sejam publicados, não deve demorar muito para que tenhamos mais volumes lançados aqui no Brasil. 2014 e 2015 serão de Hunter x Hunter!

geek-manga3

Habemus rabiscus!

 

Falando em mangás publicados aqui, vale relembrar que a JBC – que também publica Hunter x Hunter – anunciou recentemente que trará Hoshi no Samidare e Yokokuhan, além da republicação de Yu Yu Hakusho. As duas primeiras obras são belas apostas, fugindo do gênero que ainda é considerado comum ao mercado, o de mangás de batalha.

Além disso, são obras curtas, dez e três volumes respectivamente, perfeitas para quem gosta de colecionar quadrinhos mas tem problemas em compromissos financeiros de longos anos. Assim que eu puser as mãos em cada um dos três, comentarei a respeito.

Enquanto isso, a Panini promete revelar mais quatro obras no Fest Comix, que ocorrerá de 1 a 4 de Maio. Eu não duvidaria de mais obras infinitas por parte da editora, apesar das poucas opções restantes.

geek-manga2

geek-mangaCapas japonesas dos  primeiros volumes de Hoshi no Samidare e Yokokuhan

O mercado nacional de mangás está, de fato, em movimento. Obras como Hoshi no Samidare possuem uma ótima recepção no underground, mas dificilmente é algo que o público maior de mangás no nosso país chegou a ler ou conhece nem que seja de nome. O coletivo de editoras que publicam quadrinhos orientais no Brasil está tornando o cenário, finalmente, interessante e com opções para todos os gostos nestes últimos anos.

Claro que sempre existirá um buraco aqui e ali, e cada leitor tem suas preferências pessoais que não serão atendidas tão cedo – se é que serão um dia; e eu estou incluso entre estes – mas quando temos publicações que abrangem desde o básico da porradaria, até seinen de gêneros variados, passando por shoujo, e incluindo aí tanto obras famosíssimas como novidade ou republicação, e séries menores que fogem do escopo da massa de leitores mas que possuem grande qualidade e que servirão para aumentar a bagagem dos interessados em quadrinhos, aqueles que ainda reclamam que o mercado está fraco em variedade me soam como chorões que queriam que publicassem, sei lá, Shin Devilman ou Novice Policewoman Kiruko-san por aqui.

E lhes garanto, ninguém verdadeiramente quer ver isso acontecendo.

Continuar lendo
Publicidade

Estudante de Geologia e portanto sommelier de RU, leitor voraz de quadrinhos, pretenso escritor, gato polar nas horas vagas e aluno da Escola Mangá Khan de Melodrama.

Deixe seu comentário!

Mais em Livros e HQ

To Top