Personagens de quadrinhos que não estavam no gibi

Livros e HQ

Personagens de quadrinhos que não estavam no gibi

Os quadrinhos, o cinema e a tv sempre tiveram uma estreita relação de amizade – adaptações de quadrinhos para tv e cinema existem desde os anos 30 (os famosos seriados que passavam nas matinês).

O curioso é que algumas dessas adaptações (para a tv, cinema ou rádio) terminaram por influenciar o universo dos quadrinhos, criando elementos que depois foram incorporados na linguagem de origem. Por exemplo, a kryptonita surgiu no programa de rádio do Superman, em 1943. Seis anos depois, foi incorporada aos quadrinhos do personagem.

No caso de personagens, alguns também fizeram esse percurso inverso – e alguns se tornaram tão importantes para o universo quadrinístico que parece até que eles sempre estiveram ali.

Vejamos alguns desses casos e digam se eu não tenho razão.

 

PHIL COULSON

O agente da S.H.I.E.L.D. Phil Coulson, interpretado por Clark Gregg, estreou em Homem de Ferro, filme de 2008 que deu início ao Universo Marvel nos cinemas. Embora tenha uma participação pequena (mas fundamental), o agente caiu nas graças do público. Posteriormente, ele apareceu em Thor e Homem de Ferro 2 com mais tempo de tela e teve seu grande momento no épico Os Vingadores.
Depois dos filmes, Coulson virou personagem fixo da animação Ultimate Spider-Man e ano passado chegou aos quadrinhos, na mini-série Battle Scars. Atualmente, faz parte da revista regular Secret Avengers.

E depois do cinema, animação e quadrinhos, Phil Coulson estará na série de tv S.H.I.E.L.D., que deve estrear este ano. Pense num personagem multimídia!!!!

 

BATGIRL

Aqui temos um pequeno desvio no conceito. Batgirl apareceu primeiro nos quadrinhos, mas ela foi criada para a série de tv do Batman dos anos 60 pelos produtores do programa. O objetivo era criar um atrativo diferente para a terceira temporada do seriado e então o produtor William Dozier entrou em contato com a DC Comics e Barbara Gordon nasceu.

Assim, embora a Batgirl tenha sido criada com o programa de TV em mente, tecnicamente sua aparência primeira foi nos quadrinhos alguns meses antes dela aparecer na telinha.

Outros personagens do seriado também deram as caras nos quadrinhos depois, como o Chefe O’Hara e o vilão Rei Tut.

 

FIRESTAR

firestar

O Homem-Aranha e Seus Incríveis Amigos foi uma animação de sucesso que durou 24 episódios (setembro de 1981 a setembro de 1983). Na série, o Homem-Aranha tinha a ajuda do Homem de Gelo, membro original dos X-Men,  e de Estrela de Fogo, personagem original criada para a série, cujo nome verdadeiro era Angelica Jones. Os três eram estudantes da Empire State University; Peter e Bobby Drake moravam na casa da Tia May. 

Dois anos depois do fim da série animada, Angelica Jones foi introduzida no Universo Marvel tradicional dos quadrinhos, tendo aparecido pela primeira vez em 1985, na revista Uncanny X-Men # 193; depois, teve sua própria mini-série. Ela tornou-se um membro original dos Novos Guerreiros e chegou a fazer parte dos Vingadores.

 

RENEÉ MONTOYA

Batman: The Animated Series, desenho clássico dos anos 1990 que deu início a toda uma mitologia do Universo DC na televisão, ainda é, na minha modesta opinião, a melhor tradução do Cavaleiro das Trevas fora dos quadrinhos. A animação também introduziu muitos personagens novos para o mundo do Morcego.

Um dos maiores é a detetive Renee Montoya, que freqüentemente atuava em parceria com o desajeitado e turrão Harvey Bullock e era uma presença feminina forte dentro do Departamento de Polícia de Gotham.
Ela foi trazida para os quadrinhos logo em seguida e mais tarde estrelou como um dos personagens principais da fodástica série Gotham Central (aqui no Brasil conhecida como Gotham City Contra o Crime), cujo arco Meia Vida ganhou prêmios nos EUA pela abordagem do preconceito contra homossexuais – neste caso, a própria Renee.

A DC só cometeu um deslize com essa personagem tão importante: transformou-a em uma versão do vigilante Questão em 2006. Atualmente, Renee ainda não deu as caras no reboot do universo DC, embora já tenha sido citada na série Batwoman.

 

JIMMY OLSEN

Pois é, aposto que essa você não sabia. O fotógrafo Jimmy Olsen, aquele pentelho sardento que usa gravata borboleta e que parece ter nascido colado ao Superman não nasceu nos quadrinhos.

O personagem é um produto do programa de rádio As Aventuras do Super-Homem, de 1940. Um ano depois, ele apareceu nas histórias em quadrinhos e o resto é história.

Desde então, Jimmy se tornou uma figura constante em praticamente todas as versões do Superman como seu leal “amigo”. Ele também teve  suas próprias aventuras solo, onde: virou um rapaz-elástico, um porco-espinho humano, um superobeso e uma tartatura gigante – não pergunte, eram os anos 60…
Mas Jimmy não é o único funcionário do Planeta Diário que estreou no rádio: o mesmo vale para o editor Perry White, cujas frases de efeito (“grande fantasma de César” e “Não me chame de chefe”) vieram do ator John Hamilton.

 

HARLEY QUINN

harley_jokerA Dra. Harleen Frances Quinzel trabalhava no Asilo Arkham  como uma psiquiatra, tratando a galeria de vilões insanos que atormentava o Batman. Tudo ia bem até que ela se apaixonou perdidamente pelo palhaço do crime Coringa e adotou a personalidade de Harley Quinn (Arlequim, sacou?), tornando-se companheira, amante e ajudante do vilão em Batman: The Animated Series.

Sua primeira aparição nos quadrinhos ainda foi dentro do universo Animated da DC, na premiada história Mad Love, de Paul Dini e Bruce Tim, que conta sua origem

Mais tarde, porém, ela entrou na cronologia do Universo DC, tendo uma série própria que durou três anos (2001-2003). Ela se tornou um personagem-chave em muitas histórias do Batman e estabeleceu uma parceria com Hera Venenosa e Mulher-Gato na série Sereias de Gotham. Atualmente, no reboot da DC, ela faz parte do Esquadrão Suicida.

Pela sua popularidade, Harley foi parar no mundo dos videogames: ela é uma das vilãs do premiado Batman: Arkham Asylum, e aparece novamente em Batman: Arkham City.

Isso faz da Harley Quinn uma personagem única, que transitou da série animada de tv para os quadrinhos, depois para uma participação na série live-action Aves de Rapina; dos quadrinhos para os videogames e agora dos videogames para os quadrinhos de videogames.  Sei não, mas acho que ela ganhou do Phil Coulson em termos de multimídia.

Continuar lendo
Publicidade
Bruno Alves

Bruno Alves é professor, rabisca de vez em quando uns desenhos por aí e tem sempre uma música tocando em off na cabeça, mesmo quando não está usando headphones. E sim, ele gosta dos Titãs.

Deixe seu comentário!

Mais em Livros e HQ

To Top