Paul McCartney finalmente concordou comigo: “Yoko não separou os Beatles!”

Música

Paul McCartney finalmente concordou comigo: “Yoko não separou os Beatles!”

Sempre fui oposto à versão tradicional de que Yoko Ono foi responsável pela separação dos Beatles. Na verdade sempre achei essa discussão meio besta, porque a prisão do saudosismo de quem gostaria de manter os Beatles eternamente não percebe que isso seria uma tragédia pra história do rock: seria impossível, ou no mínimo completamente diferente, a existência dos projetos solo de cada beatle depois do final da banda em 1969/1970.

Pode parecer maluquice minha, mas já parou pra imaginar se John Lennon não tivesse composto Imagine? Imagine só… e diz aí o que seria da música ocidental no século XX se essa coisa aí de baixo não existisse?

Ou pense rapidinho, se George Harrison e Ravi Shankar nunca tivessem tido a oportunidade de se terem juntado pra organizar o Concerto para Bangladesh em 1971? A história dos concertos beneficentes do rock jamais foi a mesma depois desse acontecimento do vídeo aí de baixo…

Ou ainda, realize aí nos seus miolos se Paul McCartney jamais tivesse criado a banda Wings ou produzido os vários discos de sua carreira solo? Bem, nesse ponto pra mim não teria feito muita diferença – já que minha heresia contra Paul é quase completa depois de suas canções da época dos Beatles… hihihi #trollface

De toda forma, estas sim seriam grandes lástimas musicais, com danos muito mais irreparáveis do que o fim dos Beatles, que na minha opinião já havia dado o que tinha que dar (com exceção de Free as a bird, que seria gravada anos depois…). #challengeaccepted

Então deixe de #mimimi the dream is over, entenda que a banda nunca se acabará nos corações da beatlemania e nos anais do Rock e aceite a dureza que os processos históricos nos impõem. Agora leia as palavras do próprio Paul McCartney, que finalmente conseguiu me convencer de que é um ser humano digno de muito respeito:

"Parte do apelo dela [de Yoko Ono] era seu lado avant garde, a visão dela das coisas", falou McCartney em entrevista concedida à televisão britânica, e que será exibida pela tevê Al Jazeera da Inglaterra agora em novembro. Paul ainda completou sua declaração dizendo o seguinte: "Ela mostrou a ele uma nova forma de ser que o atraía muito. Então, era a hora de John sair."

E sobre o fatídico fim dos Beatles e a cansada interpretação HISTÓRICA de que Yoko teria sido o demiurgo de Satan Goss na terra do Rock, Paul soltou essa singela e devastadora frase:

Untitled

É isso. O último que sair, apague a luz, por favor…

Continuar lendo

blogueiro, historiador; planejamento digital, coordenação de projetos em mídias sociais; editoração, redação digital e Tricolor do Arruda.

Deixe seu comentário!
Publicidade

Artigos mais vistos

Publicidade
To Top