7 Maiores Ameaças da Segurança On-line para este ano

Publieditorial

7 Maiores Ameaças da Segurança On-line para este ano

Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender Antivírus para uso exclusivo do blog Geek Café

Como de costume, ao final de cada ano, as principais empresas e organizações na área de tecnologia lançam suas previsões para o cenário de segurança on-line do futuro. O objetivo é alertar o usuário para questões já presentes em sua rotina, mas que também serão capazes de influenciar os rumos da indústria de TI.

Em comum, grande parte das pesquisas destaca o surgimento de novas ameaças, assim como a expansão do território de cybercriminosos. Confira o post com um apanhado das principais previsões de perigos digitais para o ano de 2016.

Ataques à nuvem: com o aumento no fluxo de armazenamento na nuvem, empresas dos mais diversos setores deverão ficar atentas à segurança de seus dados. Em 2016, pode-se esperar uma maior inclinação dos criminosos virtuais para o desenvolvimento de ataques;

Vulnerabilidade em dispositivos móveis: smartphones e tablets tendem a se tornar ainda mais tentadores para os hackers. As ameaças poderão partir de aplicativos já conhecidos, como Facebook e WhatsApp e, até mesmo, de sistemas operacionais, como o Android;

Atenção para a Internet das Coisas: mesclando o mundo real com o virtual, a chamada Internet das Coisas (IoT) vem permitindo que objetos até então “off-lines” entrem em conexão com a internet. Carros, relógios e eletrodomésticos – por exemplo, entrarão em rede, criando um mundo de facilidades e troca de informações. Como consequência, ataques mais específicos devem ser aguardados para o longo do ano;

Ataques focados: uma das grandes previsões para 2016 é o desenvolvimento de ataques com alvos ainda mais específicos. Candidatos políticos, plataformas de mídias sociais, sites de notícias e grupos de apoio estão entre os maiores ameaçados. Nesse contexto, entra em ação o chamado hacktivismo, ou seja, ataques com o intuito de promover ideologias políticas;

Extorsão on-line: inúmeros casos de extorsão on-line deverão surgir. A artimanha utilizada pelos criminosos acontecerá por meio de análises psicológicas e engenharia social das vítimas. A intenção é ir além da obtenção de dados, visando o pagamento de quantias em dinheiro;

Brechas em novas tecnologias de pagamento: a expansão das tecnologias de formas de pagamento, como cartões inteligentes e dispositivos móveis abrirão espaço para novas ameaças. O alvo aqui deverão ser empresas de varejo;

Alerta aos bloqueadores de anúncios: as extensões de bloqueio para propagandas on-line se tornaram comum nas mais distintas plataformas. Em 2016, os anunciantes irão buscar novas abordagens para atrair a atenção de seu público. Com isso, os cybercriminosos não medirão esforços para se infiltrarem em meio às novas possibilidades de captação de dados do usuário.

Bitdefender 2

Necessidade de Recursos Especializados

Em meio ao cenário de crescentes ameaças, outro ponto chama a atenção: o fato de que, mesmo diante de tantos riscos, a mão de obra especializada em segurança na internet seja considerada como uma das falhas de 2016. Isso porque, a oferta de profissionais capacitados promete se tornar cada vez mais escassa. A solução, mais uma vez, será investir em opções já consolidadas no mercado – tal qual o antivírus Bitdefender Internet Security 2016, considerado o software de segurança na internet mais poderoso da atualidade.

Entre as vantagens, pode-se citar o monitoramento contínuo de ameaças, aliado à resolução ágil de ataques. Sem contar, é claro, na atualização constante contra os mais novos tipos de vírus e perigos lançados no mercado pelos criminosos virtuais.

Em 2016, portanto, adquirir recursos efetivos para a proteção de dispositivos e sistemas se mostra a opção mais rentável para os usuários – sejam eles físicos ou jurídicos.

Imagens: BGR, Venture Consulting.

Continuar lendo
Publicidade
Murilo Lima

Criador e editor-chefe do Geek Café. Administrador entusiasta de novas mídias, inovação e mentes fora da caixa.

Deixe seu comentário!

Mais em Publieditorial

To Top